Querido, Catarina Simões, O Projeto Sete Villas – A Narrativa como valorização do território [tese de mestrado], Caldas da Rainha: ESAD.CR, 2016

A crescente valorização dos recursos patrimoniais tem adotado uma importância particular nas últimas décadas, especialmente no que diz respeito às áreas rurais. Estas áreas são vítimas de processos de descaracterização devido à ausência de dinamismo económico e à consequente perda significativa de população. A conceção de novas estratégias implica um conhecimento aprofundado do potencial endógeno destes territórios para que seja possível perceber até que ponto os elementos da paisagem e o seu substrato natural podem ser entendidos e valorizados patrimonialmente, contribuindo desta forma para o desenvolvimento local sustentável através do aproveitamento turístico.
Apesar de nos últimos anos ter sido verificado um crescente interesse pelas áreas rurais, tanto para viver como para visitar, ainda persiste uma imagem negativa destes territórios. E é necessário, portanto, pensar imagens de marca fortes e coerentes que apostem no carácter diferenciador destes espaços.
O objetivo desta investigação passa pela avaliação da importância que o marketing territorial pode representar no desenvolvimento de pequenos territórios com potencialidades culturais. Estas constituem uma estratégia de promoção destes locais, contribuindo significativamente para o desenvolvimento dos próprios territórios, uma vez que para o aumento da atratividade territorial poderá induzir a um maior investimento e a um maior número de visitantes.
A área de estudo selecionada para uma avaliação mais aprofundada será a região do Alentejo, que desembocará num projeto cultural criativo com ênfase no distrito de Portalegre. Este Projeto tem como fundo de base, a promoção turístico-cultural de um conjunto de pequenas vilas tradicionais pertencentes ao distrito, agrupando as mesmas numa rede coletiva de identidade comum. Este processo exige um estudo elaborado no que diz respeito aos recursos de vertente e potencialidade cultural destes territórios de modo a que consigamos transformá-las numa nova imagem de marca.
Mais importante que o próprio património material e imaterial já previamente reconhecido são as pequenas narrativas locais que nos esclarecem quanto à sua história e identidade dos próprios residentes.
O produto final será a construção de uma nova rede turístico-cultural que agrupe estas pequenas vilas num só roteiro. Para tal, é necessária a construção de um guia cultural criativo, onde a nova imagem destes locais se constrói pelas pequenas histórias e narrativas de interesse cultural. Na prática este produto será concretizado de três formas, impresso, online, e sob a forma de uma aplicação para mobile phone.

Marketing territorial, Narrativas, Lendas, Mitos, Turismo Cultural, Cultura, Património intangível, Tradição oral, Place Selling, Alentejo, Portalegre, Comunidade, Rede de Territórios, Rota Turístico-cultural, Interpretação dos Lugares, Memória Coletiva.

Para ler aqui.