A transformação digital da forma como os livros são escritos, vendidos e lidos ainda agora começou. O ensaio é do Economist e vale a pena ler aqui.