Em 2011, a Comissão Europeia desenvolveu uma proposta para o enquadramento financeiro do novo programa para o sector cultural e criativo 2014-2020. Os programas existentes até 2013“Cultura” (2007–2013), MEDIA para o sector audiovisual  (2007–2013), e MEDIA Mundus para a cooperação com profissionais de países terceiros na área dos audiovisuais  (2011–2013) são reunidos num enquadramento comum e será criada uma nova ferramenta financeira (um fundo de garantia).

O estudo desenvolvido por Cornelia B. Bruell (especialista em estudos culturais em Viena) no IFA (Institute for Foreign Cultural Relations/ Research Programme “Culture and Foreign Policy”) identifica as alterações fundamentais ao apoio cultural que se iniciou em 2014, discute as posições do Conselho e Parlamento europeus na análise da proposta da Comissão e apresenta algumas críticas levantadas pela sociedade civil e cidadãos.

Os pontos centrais desta crítica do público, da sociedade civil e do Parlamento Europeu são, entre outros, o estilo económico do programa que enfatiza a competição, o emprego e o desenvolvimento estratégico de audiências, para além de ter como fundamento um conceito de cultura como bem e serviço, ignorando o seu valor não-comercial.

O estudo pode ser lido aqui.