A 17 e 18 de Novembro os alunos do 1º e 2º ano do Mestrado em Gestão Cultural da ESAD – Caldas da Rainha, deslocaram-se à Guimarães-Capital Europeia da Cultura 2012, no sentido de contactarem de perto com a criação, produção e gestão de um dos acontecimentos culturais – e económicos – portugueses mais relevantes dessa data e certamente, na escala do investimento realizado e da sua programação, da Europa, como diz o seu nome.

O programa era vasto! Visitas a edifícios e espaços públicos recuperados, exposições, conversas com responsáveis artísticos e gestores de projectos, espectáculos e inaugurações.

Do programa destaco a conversa com o Presidente da Fundação Cidade Guimarães, Prof. Doutor João Bonifácio Serra que, no domingo de manhã, na sala de reuniões da Pousada da Juventude, edifício integrado numa zona “suja” da cidade, primeira zona industrial (produção de couros), que, graças à política patrimonial da autarquia, se converteu num espaço útil e público da cidade. Nesse espaço, que a autarquia reabilitou com a colaboração da população, o Professor Doutor João Bonifácio Serra deu-nos conta da programação, do seu modo de concepção, da sua articulação com os agentes culturais da cidade, referiu-nos as criações encomendadas a artistas nacionais e estrangeiros, e descreveu-nos a estrutura organizativa e de produção do projecto.

Da explanação feita percebe-se que a intenção da Fundação foi a de incluir todos os agentes culturais da cidade na programação, – “Tu fazes parte” é o slogan -, quer através de encomendas específicas, quer através da integração intencional – e pactuada – de artistas nacionais e internacionais, das diversas áreas artísticas, a trabalhar com grupos locais de modo a alargar reportórios e modos de realização das criações. Foi uma programação que potenciou o movimento criativo e cultural existente na cidade e na região e que alargou essa oferta – e mesmo entrosamento, por via da criação residente – com programações internacionais e nacionais a patamares de criação antes inexistentes, e mesmo desconhecidos, tanto no que se refere á natureza dos projectos quanto aos seus modelos de organização, possibilitando ao público a fruição e o conhecimento de outras realidades e fenómenos artísticos.

Um dos pontos que relevo da apresentação feita é a descentralização – ou melhor a centralização – da produção da Capital Europeia da Cultura na estrutura local da Oficina de Cultura ligada à autarquia. Há longos anos que esta Régie-Cooperativa promove a cultura em Guimarães, tendo sido chamada nos últimos anos, desde 2004/2005, a executar a programação cultural da autarquia. Certamente que esta oportunidade propiciou uma nova aprendizagem nos modos de executar uma programação tão diversificado quer pelas áreas artísticas que toca, quer pelo seu carácter internacional, impondo uma organização estritamente profissional e a criação de sinergias entre produtores, animadores, comunicadores e técnicos.

Outro ponto que mereceu o meu interesse foi a Fundação Orquestra Estúdio. Segundo o Professor Doutor João Bonifácio Serra era fundamental a criação de uma Orquestra Sinfónica de modo a que a programação dos concertos de música clássica e o acompanhamento de outras iniciativas como a ópera, etc., não ficassem reféns da contratação da Orquestra do Norte e das Beiras. A ideia, que à partida teve diversas contestações, sobretudo porque se pensou no seu custo e não na vantagem que seria traduzida pela participação dos alunos das diversas escolas de música de Guimarães na referida orquestra ao lado de músicos profissionais de modo a ampliarem os seus conhecimentos ao nível dos reportórios e enquanto executantes, concretizou-se com a selecção de músicos regionais, nacionais e internacionais que, durante o ano de 2012, possibilitaram o acompanhamento de diversos programas como seja o espectáculo de José Carreras com a cantora vimaranense Sofia Escobar, ou ainda, como se lê no programa da música da Guimarães 2012, o de concretizar o programa Música Fora de Portas com a itinerância de diferentes formações da Orquestra nas 69 freguesias do concelho, apresentando o seu reportório nas igrejas, praças, cafés, reuniões de convívio, etc.

Finda a Guimarães 2012, uma nova etapa se iniciará na cidade: a da capacidade de manter e animar as estruturas artísticas criadas e desenvolver uma programação cultural diversificada, de um nível que não seja um recuo relativamente ao que se fruiu em 2012. À efemeridade dos eventos, como a Guimarães 2012, não deveria corresponder a extinção da actividade cultural e dos programas implementados que deram especial relevo à cidade e às associações que entretanto se criaram e readaptaram a esta nova realidade, que, em boa verdade, deveríamos chamar de futuro em acto. Será então o tempo de perceber até que ponto o papel das artes e da cultura se inscreveram e se enraizaram na prática quotidiana da cidade e dos vimaranenses.

O facto de se prever a extinção da Fundação Orquestra de Guimarães será o comprovar que as Capitais Europeias da Cultura assentam em epifenómenos mais centrados em alterações logísticas e infraestruturais, quando é o caso, do que habitá-las e dar-lhes vida nova. Como se percebe, o programa da música, Fora de Portas, foi o da inclusão social e da aproximação das pessoas à diversidade da cultura musical, na tentativa da formação de públicos que entretanto, necessitará de incentivos e novos projectos nos próximos anos, para que essa formação se concretize em pleno. Um ano não é suficiente para a formação de públicos e para a alteração da experiência iniciada pelos alunos e professores das escolas de música.

Que o resultado final da Guimarães-Capital Europeia da Cultura 2012 seja mais que um epifenómeno artístico e social a concretização de uma dinâmica local imparável de forças criativas e fruição, em resultado de sinergias e articulações de projectos, com a alfabetização artística e formação de públicos, é o voto que aqui faço.

Agradeço à Professora Luísa Arroz o seu empenho na concretização do programa e a sua visão estratégica sobre a importância dos diversos temas na nossa formação.

Ana Pereira