Por falar em modernidades:

Arnold Schoenberg – Five Pieces for Orchestra, IV-V (1909)